A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

15 de setembro de 2007

A PIRÂMIDE DO PODER


Chegar ao topo da pirâmide do poder no Brasil é uma questão de sorte! Ainda que a doutrina do sapiente, Alan Kardec, (a mesma que nos admoesta e exorta a termos: "O universo como templo; Deus como imagem; a consciência como altar e a caridade lei), afirme não existir sorte, nem azar, pois tudo provém da lei de "causa e feito", prefiro, excepcionalmente, acreditar que a "estrela" e a "sorte" fizeram do Brasil um Estado anômalo.

Quando, num passado não muito remoto, um sindicalista ganhou a eleição para presidir a Polônia e o operariado acreditou na "solidariedade", foi ledo engano, pois não adianta vir da mais humilde camada social, se, o poder, a fama e o bem estar, fascinam os governantes de todos os matizes.

Hoje, para se adentrar a quaisquer dos cargos da carreira típica de Estado da Polícia Federal, é preciso, é necessário, é "condicio se ne qua non", ser portador de diploma de nível superior. Aquele que pretender assumir a carreira diplomática é obrigado a saber ler, escrever e falar fluentemente, pelo menos, três línguas. Mas, para ser Presidente da República Federativa do Brasil, basta, apenas, saber ler e escrever, ou seja, não ser de todo analfabeto, ser filiado a partido político e ser maior de 35 (trinta e cinco) anos de idade.

Aquele que conquistar a maior quantidade de votos válidos será: Magistrado Mor; Comandante-em-chefe (ou Supremo) das Forças Armadas; e, terá as chaves do "cofre" nas mãos.

O problema da Governança começa logo no entendimento, ou não, do Presidente com o seu Vice e o Brasil é pródigo neste aspecto. Não faz muito tempo o governo atual teve dificuldades nesta área.

Em seguida vem a pressão política pelos cargos de primeiro, segundo e terceiro escalões. Que obviamente sempre ficam com os "amigos" do Poder, ainda que não sejam eles os mais competentes técnicos, pois técnica e política são áreas antagônicas, até porquê "nem tudo o que é legal, é moral".

A ciranda dos cargos é bem interessante, parece até com as nuvens, num momento está de um jeito e daqui a pouco toma novas nuances.

A bola da vez está sendo o Ministério da Justiça. A saída do Ministro Márcio Thomas Bastos, provocou a assunção do "neófito" Tasso Genro. Que a duras penas manteve o Diretor-Geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, à frente do órgão nos últimos meses. A dinâmica na distribuição dos cargos é por demais interessante: O ex Diretor-Geral da PF, vai para ABIN; O Secretário Nacional de Segurança Pública, passa a ser o Diretor-Geral da PF; O Procurador Biscaia, assume a Secretaria Nacional de Segurança Pública e ainda arranjaram colocação para um filho do Senador Romeu Tuma.

A pirâmide se sustenta na base, mas o topo faz dela o que bem quer! E como os cargos são de confiança – (demissíveis "ad nutum"), em menos de um ano de transição ministerial, já fala-se na troca de boa parte dos Superintendentes Regionais da Polícia Federal, Brasil a dentro.

É uma pena, é uma lástima, que, necessariamente, o Poder passe pela Política, nos moldes que aí se encontra. Que votações, julgamentos e outras decisões de colegiados, guardem atrelamentos diretos e intrínsecos, entre os três Poderes da União e que ao final seja feita a vontade dos poderosos em detrimento da real vontade popular.

Por Severino Melo – é Bacharel em Direito, Escritor, Radialista, Servidor Público Federal, Recifense Nato e Cidadão Honorário de Caruaru, in http://www.claudiohumberto.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)