A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

20 de abril de 2007

A vítima, essa esquecida.


No dia seguinte ao da promulgação da Constituição de 88, 6 de outubro de 1988, o doutor Saulo Ramos, então meu consultor-geral da República, brilhante jurista e conhecedor profundo de direito constitucional, entrou em minha sala na Presidência da República e disse-me, com um ar brincalhão: "Esta Constituição vai ser um maná para nós, os advogados: os tribunais ficarão entupidos de ações".

Em seguida, mostrou-me um texto, o inciso LXI do art. 5º: "Ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei". "Ora", dizia ele, "a partir de hoje, ninguém pode ser preso neste país para ser investigado". E me esclareceu mais ainda: "Veja esta outra preciosidade: "a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados imediatamente ao juiz competente e à família do preso ou à pessoa por ele indicada'; e mais, "o preso será informado de seus direitos, entre os quais o de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da família e de advogado".

O criminoso, desse modo, tem todos os direitos, e a vítima, aquela que sofreu o ato criminoso, não merece nenhuma menção nesse artigo 5º, que trata dos direitos fundamentais. Foi jogada para a vala comum, remetida pelo último artigo da Constituição a uma lei infraconstitucional.

No mundo inteiro, hoje, existe legislação que assegura direitos às vítimas, e há inclusive uma resolução da ONU nesse sentido. Considero que o desrespeito e a falta de humanidade para com aqueles que são trucidados pela violência e insegurança que existem no país vêm a ser um estimulador da própria violência.

Se os criminosos e a sociedade, o Estado e as autoridades olhassem o drama humano de quem perde um pai, um filho, de quem fica paralítico para vida inteira, olhassem os destinos que se acabam, talvez não se cometessem tantas atrocidades. Mas, ao contrário, só quem tem direito é o criminoso, o homicida. E as vítimas ficam no esquecimento e só merecem notícia quando são objeto de sensacionalismo. (grifo nosso).

Apresentei um projeto de lei para proteger as vítimas de violência e suas famílias e lutei para que não se admitisse que homicidas se defendessem soltos. Há três anos tramita na Câmara, e -pasmem os leitores- recebeu parecer contrário à sua aprovação.

As vítimas clamam por justiça.

Do jeito que está, o Brasil ganha então o título desonroso de país da impunidade, de país protetor de criminosos e de algoz das pobres vítimas.


Folha de São Paulo - 20/04/07 - JOSÉ SARNEY escreve às sextas-feiras nesta coluna.

Um comentário:

Lindi disse...

adorei o blog, muito bom e utilíssimo, como Promotora de Justiça acho muito boas divulgações como estas, que aproximam as pessoas de nossas opiniões. Parabéns!!!

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)