A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

22 de janeiro de 2015

Promotor Argentino: Suicídio ou Homicídio?


A agenda do promotor federal Alberto Nisman indicava para esta segunda-feira às 15:00 horas uma longa audiência na Câmara de Deputados na qual exibiria provas sobre a denúncia que havia apresentado na semana passada contra a presidente Cristina Kirchner e o chanceler Héctor Timerman, além de outros aliados do governo.
Nisman planejava dar detalhes sobre as provas que possuía e que – segundo ele – fundamentavam suas acusações sobre o suposto encobrimento, por parte da Casa Rosada, do envolvimento de altas autoridades iranianas na organização do atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA) em Buenos Aires em 1994.
No entanto, Nisman nunca conseguiu dar as informações que tinha. Seu corpo foi descoberto na noite de domingo com um tiro na cabeça. Seu corpo estava no banheiro de seu apartamento no bairro de Puerto Madero.
Integrantes do governo Kirchner rapidamente sugeriram que Nismam “suicidou-se”. A promotora Viviane Fein especula que poderia estar “deprimido” e “estressado”. Representantes da oposição especulam sobre um eventual “assassinato” ou um “suicídio induzido”. Seus amigos e parentes afirmam que estava de “´ótimo humor” e entusiasmado com a apresentação das provas que faria na segunda-feira.
A morte do promotor esteve coalhada de pontos sui generis desde o domingo…e as peculiaridades prosseguem nestes dias.
1 - Nisman contava com 10 guarda-costas. Mas, nenhum deles estava posicionado na frente do apartamento onde morava, no décimo-terceiro andar do prédio onde residia em Puerto Madero. No fim de semana de sua morte os homens estavam posicionados na calçada, na frente do prédio.
2 – No sábado Nisman pediu aos guarda-costas que fossem buscá-lo no domingo às 11:30. Os homens da Polícia Federal chegaram pontualmente e esperaram o promotor na calçada. Nisman não aparecia. Duas horas depois telefonaram ao promotor, que não atendia o telefone. Sem obter resposta, subiram até o décimo-terceiro andar e viram que os jornais estavam na porta do apartamento. Isto é, Nisman não os havia recolhido. Na sequência, às 14:00 horas telefonaram à secretária de Nisman, que os colocou em contato com a mãe do promotor.
Os guarda-costas deslocaram-se até o outro lado da cidade, no bairro de Núñez, para buscar a mãe de Nisman e leva-la até o apartamento com sua chave.
O horário da morte de Nisman, segundo os médicos legistas, foi às 15:00. Isto é: nesse período de telefonemas dos policiais o promotor ainda estava vivo.
A mãe de Nisman chegou com os policiais no prédio às 17:30. No entanto, subiram às 19:00. A porta estava trancada por dentro e não puderam abri-la (a outra porta tinha um código eletrônico que ela não recordava). Não tentaram derrubar as duas portas.
Os homens da Polícia Federal optaram por recorrer à ação prosaica de chamar um serralheiro. Desta forma, 7:30 horas depois do momento marcado com Nisman para esperá-los na calçada, os policiais finalmente conseguiram entrar no apartamento.
3 – Nisman tinha posse legal de uma arma calibre 32. No entanto, segundo o governo, teria pedido uma arma emprestada a um assessor, com a qual – de acordo com a versão oficial – suicidou-se. A arma era de potência menor, uma Bersa Thunder calibre 22. Este dado chamou a atenção, já que os suicidas geralmente optam por armas de maior calibre para ter certeza da morte.
4 - A promotora Viviana Fein, encarregada da investigação sobre a morte do promotor federal Alberto Nisman admitiu na terça-feira que os testes feitos durante a autópsia indicaram que não existiam vestígios de pólvora na mão do colega, que faleceu com um tiro na cabeça no domingo à tarde. Na véspera, segunda-feira, Fein havia indicado que tratava-se de um suicídio e que a mão direita de Nisman havia apertado o gatilho da arma calibre 22. Na ocasião, descartou a participação de “terceiras pessoas”. Mas, nesta terça-feira, Fein gerou polêmica com um inesperado advérbio de modo: “lamentavelmente, deu negativo..mas isso não descarta que ele tenha feito o disparo”.
Mais tarde, a promotora acrescentou categórica: “foi um suicídio, mas não sabemos o motivo”.
5 – Nisman estava entusiasmado com a apresentação das provas que realizaria perante os deputados na segunda-feira. Misteriosamente, morreu 24 horas antes dessa apresentação, que seria crucial para avançar na denúncia contra a presidente Cristina Kirchner. O promotor havia agendado várias entrevistas com jornalistas para realizar durante esta semana.
6 – Nisman, segundo a Polícia, não deixou carta de despedida. No entanto, deixou em cima da mesa um recado à empregada doméstica, que viria na segunda-feira, com a lista de compras a fazer no supermercado. Isto é, o promotor, poucas horas antes de “suicidar-se” dedicou tempo para as compras de supermercado para ter em casa…na hora em que já estivesse morto.
7 – No sábado, para ilustrar como estava ocupado com a preparação de sua apresentação na Câmara de Deputados, Nisman enviou uma foto de sua mesa de trabalho em seu apartamento para Waldo Wolf, vice-presidente da Delegação de Associações Israelitas Argentinas (DAIA), o braço político da comunidade judaica argentina. Na foto aparecem os documentos que iria apresentar e diversas canetas hidrocor.
8 – Um dos homens de confiança da denunciada (a presidente Cristina), o secretário de segurança Segio Berni, chegou à cena da morte às 23:08 horas. Rapidamente armou um esquema de segurança ao redor do prédio de Nisman. Os médicos do sistema Sistema de Atenção Médica de Emergências (SAME) foram impedidos de entrar, na contra-mão da lei, que indica que no caso de pessoas envolvidas com armas de fogo, este médicos devem ter acesso imediato ao lugar do evento. Berni permitiu a entrada dos médicos às 23:26. Mas, não permitiu que vissem o corpo. Nunca foi divulgado qual foi o médico (e de onde veio) que, no apartamento, certificou a morte de Nisman.
O próprio Berni admitiu em entrevista à TV que não deixou que pessoa alguma entrasse no banheiro onde estava Nisman. “Eu não entrei no banheiro nem deixei pessoa alguma entrar”, relatou.
9 – Quando a promotora Fein chegou ao apartamento de Nisman na madrugada da segunda-feira, a Polícia Federal já estava trabalhando no lugar. A Polícia Federal obedece às ordens de Berni, que por seu lado obedece à presidente Cristina, a denunciada pelo morto.
DENÚNCIA SOBRE CRISTINA KIRCHNER, HÉCTOR TIMERMAN E OUTROS - Na quarta-feira da semana passada Nisman havia denunciado a presidente Cristina e o chanceler Timerman pela suposta negociação em 2012 de “um plano de impunidade e de encobrimento dos fugitivos iranianos acusados” do ataque terrorista contra a AMIA. A Justiça argentina considera culpados do atentado o presidente do Irã na época, Ali Akbar Rafsanjani; o ex-chanceler Ali Akbar Velayati; o ex-ministro de Inteligência, Ali Fallahijan; o ex-chefe chefe da Guarda Revolucionária, Mohsen Rezai; o ex–chefe da Força Quds e ex-ministro da Defesa, Ahmad Vahidi; além de outros três diplomatas.
Segundo o promotor, em troca da operação de impunidade a Casa Rosada conseguiria acordos comerciais com o Irã, especialmente para as exportações de carne e oleaginosas Made in Argentina. Na contra-mão a Argentina receberia petróleo iraniano, insumo crucial para driblar a crise energética que o país padece desde 2004.
A fachada deste pacto, afirmava o promotor, era o acordo formal com o Irã, anunciado em 2013 pelo governo Kirchner, que implicava na criação de uma “Comissão da Verdade” entre Buenos Aires e Teerã. Na época o acordo foi criticado pela oposição e a comunidade judaica, que definiu como “absurda” a decisão da presidente Cristina de ignorar as decisões da Justiça argentina (que já havia condenado os iranianos à revelia) e de pedir colaboração a um governo acusado de ter feito o atentado.
O Congresso argentino aprovou o acordo com o Irã. Mas em Teerã nunca foi aprovado pelo Parlamento local. Além disso, a Comissão da Verdade nunca foi ativada nos dois países.
O promotor afirmava que contava com gravações de conversas telefônicas que evidenciavam a participação do deputado Andrés Larroque (líder de “La Cámpora”, denominação da juventude kirchnerista) e outros aliados do governo nas negociações com o Irã. Nisman havia pedido o inquérito de Cristina e de Timerman. “A presidente decidiu” a operação de encobrimento dos iranianos, disse Nisman na semana passada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)