A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

1 de dezembro de 2014

Planejamento Familiar Zero

 
A legião de netos-filhos e a irresponsabilidade familiar e governamental
 
Há cerca de uns dez anos tem sido possível constatar o crescimento no número de crianças e adolescentes criados por avós.
 
No início desse fenômeno havia discussões inclusive sobre casos de má-fé, em que o real objetivo era obtenção de benefícios, como a chamada guarda previdenciária.
 
Contudo, lidando mais de uma década com a diversidade de questões ligadas à falta de estruturação familiar (abandono, maus tratos, uso de drogas, roubos, assassinatos, etc.), tem ficado cada vez mais patente que a legião de filhos criados pelos avós deriva, em sua maior e gritante fração, da irresponsabilidade dos genitores e conivência dos agentes públicos (governo).
 
Costuma-se falar em ‘gerações de pessoas’ e mudanças significativas de valores, condutas e posturas a cada uma dessas gerações.
 
Se for válida essa assertiva, tem-se que está a haver nessas últimas gerações de pais e mães a junção de uma crescente imaturidade psicológica-econômica-laboral com a irresponsabilidade quanto a causa e efeito do sexo e a criação de um(a) filho(a).
 
Em tempos outros era comum o jovem, ao buscar a tão almejada liberdade sair de casa, enfrentar o mundo, lançando-se em diversas atividades, trabalhos, formas de estudo, digladiando com as mais variadas adversidades, assumindo responsabilidades, maturidade, experiência e fortalecimento para os tratos da vida adulta.
 
Hoje, na busca da liberdade, o jovem busca uma gama de diversão e sensações; contudo, sem querer enfrentar as agruras da vida em sociedade, sem querer trabalhar, sem querer estudar e, se possível, continuar sob o teto, o carro e o dinheiro dos pais ou do Estado.
 
Assim, é carregada à vida adulta uma geração de homens e mulheres sem qualquer experiência, maturidade, senso de responsabilidade, força de vontade, entre outros fatores.
 
Aliada a essa postura, existe o aumento da linha assistencialista estatal (bolsas isso, bolsas aquilo), que ao invés de incutir responsabilidade a uma parcela imatura da população (pois não se olvida o alto número de pessoas realmente carentes), gera o conhecido sentimento de que ‘alguém dará um jeito por mim’.
 
A queda dos níveis de educação no país, o desmoronamento dos valores éticos e morais vivenciados nos últimos anos (com beneplácito das figuras públicas e condutores/autoridades da nação), aliada a falta de responsabilização de pais irresponsáveis por condutas ou omissões (impunidade), também são fatores a fomentar essa situação de milhares de homens e mulheres a gerarem filhos e filhas que, uma vez nascidos, são entregues (para ser eufemista...) aos avós, para que esses exerçam as funções que deveriam ser suas.
 
E assim, diversas crianças e adolescentes, atuais ou futuros adultos, são criados aos trancos e barrancos por avós e avôs cansados e/ou muitas vezes limitados pelas intempéries da vida e idades avançadas, com ausência da vetusta figura materna ou paterna.
 
Enquanto isso, pais e mães, sem a guarda de seus próprios filhos, continuam a gerar outros filhos para os avós criarem, preocupados apenas se vão conseguir o ingresso para este ou aquele show, se a galera vai se reunir para uma cerveja no final de semana, se aquele cara ou aquela garota gostou do whatsapp, etc.
 
O reflexo disso tudo está aí: uma legião de netos-filhos e a patente irresponsabilidade familiar e governamental, com elevados índices de crianças e adolescentes desrespeitando uns aos outros e aos adultos; enfrentando e desafiando professores e autoridades; ingerindo bebidas alcoólicas e outras drogas; sendo cooptados por bandidos e traficantes; entrando para a prostituição e, claro, gerando precocemente filhos...
 
... com a entrega desses filhos aos pais ou mesmo aos pais dos pais...
 
Até quando?
 
Por Fernando Martins Zaupa, promotor de Justiça em Campo Grande/MS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)