A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

28 de agosto de 2012

O Verdadeiro Promotor de Justiça


O verdadeiro Promotor de Justiça é um sujeito idealista, tido por alguns como louco, por outros como sonhador. O verdadeiro Promotor de Justiça, na verdade, é um vocacionado, que não trabalha com olhos voltados para o salário, mas para o impacto de suas ações, de suas paixões.

O verdadeiro Promotor de Justiça não é um burocrata engravatado encastelado em um gabinete. Não! Ele pensa em justiça distributiva, mira sempre a utopia.

O verdadeiro Promotor de Justiça não se curva aos interesses dos poderosos, não busca a luz dos holofotes. O verdadeiro Promotor de Justiça não se dobra à imprensa maledicente que serve aos poderosos interesses escusos. Não! O verdadeiro Promotor de Justiça tem a carapaça dura, tem sangue na veia, é de uma raça diferente.

O verdadeiro Promotor de Justiça não quer ser chamado de Doutor, não quer tratamento diferenciado, mas sim olhar nos olhos do necessitado. O verdadeiro Promotor de Justiça é um angustiado, passa noites sem dormir ao pensar no seu encargo.

O verdadeiro Promotor de Justiça quer uma Justiça diferente, que atenda igualmente aos poderosos e necessitados. O verdadeiro Promotor de Justiça é um sujeito indignado. Indignado com o país que serve a poucos e com a Justiça que venda os olhos para mal intencionados.

O verdadeiro Promotor de Justiça tem sempre em mente a substância, nunca a forma que deturpa, que obscurece a verdade e serve somente a ganância. O verdadeiro Promotor de Justiça não tem medo de trabalho, não se esquiva da batalha. O verdadeiro Promotor de Justiça quer servir ao coletivo, aos fracos e aos oprimidos.

O verdadeiro Promotor de Justiça ama a verdadeira Constituição, como ama a sua profissão. O verdadeiro Promotor de Justiça não se intimida, ele rema contra a maré, não tem medo de inimigos.

O verdadeiro Promotor de Justiça se emociona, sofre com a derrota, está sempre disposto a doar-se pelo próximo. O verdadeiro Promotor de Justiça serve a uma causa, muito maior que qualquer ego.

O verdadeiro Promotor de Justiça é um inconformado, quer mudar um país desde sempre deformado.

Verdadeiros Promotores de Justiça levantem-se e vamos!

Por Leonardo Bellini de Castro, Promotor de Justiça em São Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)