A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

30 de agosto de 2012

O quarto poder

 
Se muita gente acredita que a imprensa tem, hoje, um poder absoluto sobre a sociedade, orientando e formando a opinião pública, isto se deve sobretudo ao papel decisivo que ela desempenhou por ocasião da guerra mantida pelos Estados Unidos da América contra a Espanha, em 1898. A história assegura que a influência da imprensa foi determinante para que aquele conflito ocorresse. A ponto de se afirmar que aquela experiência foi uma contribuição muito importante para se legitimar o conceito do quarto poder com que certas publicações periódicas passaram a ser vistas, logo após a revolução francesa.
 
O mau relacionamento já se arrastava há anos entre estas duas nações. O ponto central do desentendimento eram as colônias de ultramar mantidas pela Espanha no mundo. Foi então que a imprensa norte-americana começou a fazer uma sistemática campanha anti-espanhola, o que detonaria um conflito bélico conhecido como a Guerra Hispano-Americana, que viria se desenrolar entre os meses de abril e agosto de 1898, colocando em jogo o destino político de Cuba, Porto Rico, Guam e das Filipinas.
 
Na raiz do conflito, os correspondentes estrangeiros mais qualificados foram enviados a cada uma das colônias em disputa, com uma clara instrução: levantar tudo que os espanhóis estavam fazendo e informar à redação. Se o que eles faziam era mau e perverso, tanto melhor. Mas quando os correspondentes lá chegaram, tudo estava muito calmo... Tanto assim que um deles enviou um telegrama avisando que a calma onde ele ali estava era tamanha que a probabilidade de um enfrentamento estava longe de ocorrer.
 
A curta resposta do chefe de redação não demorou a chegar e foi imperativa: "Envie-me apenas as ilustrações que eu encenarei a guerra." Quem escreveu isto foi um dos mais respeitados homens do mundo das notícias. Ninguém menos do que William Randolph Hearst, o criador da imprensa marrom, cujo lema era: "Eu faço as notícias". Uma figura controversa como poucos nos meios jornalísticos da época, Hearst serviu de modelo para o célebre personagem Charles Foster Kane, retratado por Orson Welles, em Cidadão Kane.
 
As ilustrações, a que Hearst se referia, eram os desenhos que os correspondentes deveriam lhe enviar. Mas não mostrando o que os espanhóis faziam, e sim, o que o seu chefe esperava que os espanhóis fizessem. Logo em seguida, começaram a surgir os esboços de soldados espanhóis torturando mulheres inocentes, por suspeitarem que elas eram espiãs. Adicione-se a estes factóides a publicação de uma carta enviada pelo embaixador da Espanha ao presidente dos Estados Unidos, William McKinley (1843-1901), que vazou no New York Journal. Na carta, o embaixador insinuava as suas dúvidas quanto ao fato das declarações do presidente não serem confiáveis, pela fama do mandatário ser conhecido como sendo um "político fraco e populista". A partir deste momento o desfecho se acelerou e, apesar de ambos os governos evitarem o conflito, a imprensa o instigou.
 
Quis o destino que um barco norte-americano explodisse perto de Havana. Antes mesmo que este acontecimento fosse esclarecido, a imprensa informou que os responsáveis pela explosão eram os espanhóis. Mas incrivelmente os governos de ambos os países nada fizeram, ainda que a situação se mostrasse tensa. Os jornais anunciaram então com grande estardalhaço: "O povo patriota defende o uso das armas".
 
Pressionado pela imprensa e pela opinião pública, no dia 25 de abril de 1898 o presidente McKinley declarou a guerra. Foram 3 meses de hostilidades. Os mortos se contaram aos milhares. Mas os exemplares dos jornais vendidos chegaram aos milhões. Como resultado do conflito, a Espanha perdeu suas últimas possessões coloniais. Nascia então o mito da imprensa como o quarto poder.
 
Mas isso era uma outra época e, é claro, não há a menor semelhança desses fatos com os que ocorrem hoje por aqui no Brasil, nem tampouco a imprensa daqui tem, sequer de longe, todo esse poder. Já os nossos leitores devem estar agora muito mais bem informados do que eram no passado.
 
Por José Carlos Alcântara, colaborador do Jornal Primeira Hora, do Rio de Janeiro, e consultor de empresas.
 

Um comentário:

Tocai a Trombeta em Sião! disse...

excelente matéria, muito interessante, mas por aqui a imprensa levanta ao ponto de fazer alguém presidente quando ela quer e a mesma acaba com o mesmo que ela fez presidente quando ela quer! Abs...

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)