A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

22 de agosto de 2009

O hábito faz o monge!


Um instigante conto de Machado de Assis, como não poderia deixar de ser, trata de um tema muito curioso e próprio da condição humana: a natureza da alma. Machado o denominou: “O espelho – esboço de uma nova teoria da alma humana”. Começa o narrador a afirmar que “Cada criatura humana traz duas almas consigo: uma que olha de dentro para fora, outra que olha de fora para dentro..”. Comprova-a, contando a história de um jovem alferes da Guarda Nacional que , em férias na casa da tia, no campo, visita-a para satisfazer-lhe o desejo de ver o sobrinho enfardelado. Formou-se um rebuliço no sítio e arredores por conta da chegada do sobrinho com sua farda. Mimado por todos, pela importância do uniforme que carregava . A tia, cheia de zelos e atenções, colocou-lhe no quarto um grande espelho, para que visse a sua imagem vestida da imponência da farda. Aos poucos, dias passando, sua porção interior, esquecida no passado, vem à tona, sobrepondo-se à exterior dominada pela patente. Ao cair-lhe a farda, é espantosa a cena que descreve o enfrentamento do jovem com a imagem refletida no espelho. Sugiro que leiam esse belíssimo e educativo conto, que confirma a máxima de que o hábito faz o monge!


Clique aqui para ler o conto


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)