A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

24 de janeiro de 2008

MPF/DF propõe ação para suspender construção da nova sede do TRF-1


O Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF/DF) propôs hoje, 23 de janeiro, ação civil pública para suspender as obras de construção da nova sede do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), em Brasília. Estimada em 480 milhões de reais, a obra é um atentado ao princípio da economicidade, defende o procurador da República Rômulo Moreira Conrado.

Projetada por Oscar Niemeyer, a nova sede do TRF-1 ocupará uma área de cerca de 169 mil metros quadrados no Setor de Administração Federal Sul. Os 51 desembargadores terão direito a um gabinete de 350 metros quadrados cada, área superior à dos gabinetes dos ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e Supremo Tribunal Federal (STF). As instalações da presidência são ainda maiores, com cerca de 625 metros quadrados para cerca de apenas 27 pessoas.

Uma das justificativas para a grandiosidade da obra apresentada pelo próprio tribunal é a alta demanda de processos. O argumento, porém, não se sustenta quando os números são comparados aos de outros tribunais. Enquanto a média de processos julgados em 2006 no TRF-1 é de 3,25 mil por desembargador, no STJ a média é de 8 mil processos por ministro e no STF o número chega a 10 mil processos por magistrado.

Para o procurador Rômulo Moreira, o projeto apresenta exageros inaceitáveis, principalmente considerando a já comum ocorrência de desvio de recursos em tais obras. “Certamente que o luxo das instalações das autoridades não se coaduna com os pilares de um país justo e democrático, especialmente quando confrontado com a miserabilidade das condições de vida de significativa parcela da população”, argumenta.

Cortes - Outro fator contrário à construção da nova sede é a já anunciada necessidade de corte de verbas nos três Poderes, por causa do fim da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Segundo o procurador, não se pode ignorar o risco do não repasse de verbas e a conseqüente paralisação da empreitada antes da sua conclusão, dando origem a mais uma obra pública inacabada.

Por outro lado, Rômulo sustenta que a centralização da atuação do tribunal em um único local dificulta o acesso dos cidadãos à Justiça de segunda instância, já que o TRF-1 atua em causas do Distrito Federal e de mais 13 estados. “Maior proveito poderia alcançar o jurisdicionado com a instalação de Câmaras regionais, como prevê a Constituição”, afirma.

O procurador lembra ainda que tramita no Congresso Nacional uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) com o objetivo de criar mais quatro TRFs. Se aprovada, serão subtraídos da jurisdição do TRF-1 seis estados, o que reduzirá consideravelmente a demanda de processos desse tribunal, tornando a obra ainda mais supérflua e injustificável.

Além da União, são réus na ação civil pública as empresas Via Engenharia, OAS e Camargo Corrêa, vencedoras da concorrência para execução das obras. Em liminar, o MPF pede a suspensão das obras e de qualquer pagamento ao consórcio responsável pela construção. No mérito do processo, pede a anulação da Concorrência 002/2007 e do contrato firmado com as empresas.

Processo: 2008.34.00.002917-3

Veja aqui a íntegra da ação civil pública.



Por Paula Amaral
Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no Distrito Federal
Tel: (61) 3313-5459/5460
E-mail: ascom@prdf.mpf.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)