A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

28 de setembro de 2007

PF e MP são instituições mais confiáveis, diz pesquisa


A Polícia Federal e o Ministério Público viraram super-heróis para combater a corrupção no imaginário popular. Pelo menos é o que apontam dados revelados, nesta quinta-feira (27/9), em uma pesquisa da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). A Polícia Federal aparece com 75% da confiança dos brasileiros.

Para 84,9%, a corrupção ainda pode ser combatida. E, ninguém melhor do que a Polícia Federal para combatê-la, segundo os dados. A PF foi votada como instituição mais relevante no combate à corrupção. Em segundo lugar, aparece o Ministério Público com e em terceiro, a sociedade civil.

A diferença entre o Ministério Público e o Judiciário ainda é um mistério para 43% dos brasileiros. Então, não causa surpresa que 50% deles não confiam no Judiciário. Apesar disso, os juizados de pequenas causas contam com 71,8% da confiança. Em segundo lugar, aparece o Supremo Tribunal Federal com 52% e os juízes, com 45%.

A pesquisa, que ouviu 2.011 pessoas em todo país, foi feita entre os dias 4 e 20 de agosto — antes do julgamento do mensalão, que aumentou a auto-estima do Judiciário, sobretudo do Supremo Tribunal Federal perante a sociedade.

Para o presidente da AMB, Rodrigo Collaço, a baixa confiança no Judiciário em geral, discrepante da avaliação positiva dos juizados especiais, só confirma que a sociedade quer uma Justiça mais rápida e acessível.

As instituições

O estudo chamado de “A Imagem das Instituições Públicas Brasileiras” revela, ainda, que o nível de confiança no Legislativo também está deixando a desejar. Apenas 12% dos entrevistados confiam na Câmara dos Deputados. O Senado não aparece em situação muito diferente. Conta com a confiança de 14% dos entrevistados. Políticos em geral tiveram o pior nível de confiança da população, com apenas 11%. A amostra foi feita com homens e mulheres, acima de 16 anos, servidores públicos e funcionários do setor privado. Entre eles, empresários, autônomos e donas de casa.

Aparece muito bem as Forças Armadas com 74% da confiança dos brasileiros. Dos entrevistados, 54% não confiam no governo federal e 40% não confiam no governo local. A imprensa ainda tem a confiança de 59% dos brasileiros.

Se dependesse do povo, o foro privilegiado já teria sido extinto. Discordam deste “privilégio” 79,8%. Políticos processados na Justiça não podem concorrer às eleições, na opinião de 94,3% das pessoas que responderam a pesquisa.

Por Maria Fernanda Erdelyi, correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 27 de setembro de 2007

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)