A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

24 de julho de 2007

Prende, mas não humilha

Um cidadão foi preso, ficando detido por 924 dias, e processo movido contra ele foi anulado por ausência do devido processo legal. Diante do fato, alegando ter sido humilhado, moveu ação contra o Estado, pleiteando indenização. O juiz da 11ª Vara da Fazenda Pública, Cláudio Antônio Marques da Silva, julgou improcedente a ação, esclarecendo no decisum que os "condenados, se humilhados são, tal fato deve-se ao constrangimento do regular exercício do poder de polícia e jurisdicional do Estado". Veja abaixo.

Processo Nº 583.53.2007.100737-3

11ª Vara da Fazenda Pública

Autos nº 39.053.07.100737-3


VISTOS.


Trata-se de ação de indenização por danos morais interposta por JORGE LUIZ BORSARI DA SILVA, contra a FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Alegou o autor, em síntese, que teria ficado preso indevidamente por 924 dias. Salientou que o processo criminal contra ele instaurado teria sido anulado por ausência do devido processo legal. Acrescentou que o equívoco teria lhe causado prejuízo a sua honra e desse modo requer indenização por danos morais.

Juntou documentos. Assim, postula a procedência da ação para condenar a ré ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 92.400,00 (noventa e dois mil e quatrocentos reais). Juntou documentos. Citada, a ré ofereceu resposta aduzindo em preliminar, ausência de documentos essenciais que comprovem os fatos narrados na exordial. No mérito, argumentou que não haveria qualquer responsabilidade do Estado em indenizar o dano sofrido. Houve réplica. Não houve provas a serem produzidas.

É o relatório.

DECIDO.

O pedido do autor é improcedente. Com efeito, os danos morais constituem pretensão que só pode encontrar guarida diante de comprovada inocência e evidente abuso de autoridade, o que não é o caso dos autos. Os condenados, se humilhados são, tal fato deve-se ao constrangimento do regular exercício do poder de polícia e jurisdicional do Estado, na persecução e punição dos denunciados. As reformas dos decisuns, exceto por flagrante erro judiciário, não demandam indenizações para os protagonistas, consistindo, tão somente, em prestação jurisdicional eventualmente reformada. A acolhida de alegação de cerceamento de defesa é reparo determinado em segunda instância sem qualquer caracterização de intenção dolosa por parte do magistrado que recebeu a denúncia.

Haja vista para o fato de que o autor não comprovou sua inocência , passando ao largo sobre a menção da determinação para recebimento da denúncia , sanado o erro contra o qual se insurgiu. Igualmente não demonstrou, por meio de folha de antecedentes, ser pessoa de reputação ilibada cuja restrição ao direito de ir e vir constituiria humilhação indevida. Por derradeiro, para que fique constando, deixo registrado que o valor da indenização postulada é exagerado e abstrato, visto que o autor não demonstrou nenhum nexo causal para justificar a elevada quantia de suposto dano moral. Ante o exposto, com fulcro no artigo 269, inciso I, do Código de Processo Civil, JULGO IMPROCEDENTE o pedido, para condenar o autor nas custas processuais, corrigidas do desembolso e honorários advocatícios da ré, fixados em 10% do valor atribuído à causa, igualmente atualizado da propositura.

Por ser beneficiário da gratuidade o que implica em diferimento e não isenção de despesas, a execução da sucumbência aguardará a existência de bens que possam satisfazer a dívida. Decisão não sujeita a reexame obrigatório.

P.R.I.C. São Paulo,29 de maio de 2007.

Cláudio Antônio Marques da Silva

Juiz de Direito

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)