A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

20 de abril de 2007

O que seria da corrupção sem a lei?


Operações como essa me fazem sentir irreal, porque vejo que há dois Brasis: um em cima e outro em baixo da terra.

Um alimenta o outro; há o Brasil da lei e da anti-lei. um Brasil fictício, e outro real. E o estranho é que nos somos os fictícios; os reais estão debaixo da terra, corrompendo, roubando.
Há uma complementação entre os dois Brasis: a liga entre samba, bicho e tribunais é perfeita. E não é que eles agem "contra” a lei; eles agem "com" a lei. Não é que as leis não são cumpridas; elas são instrumentalizadas.

Hoje, as leis existem para fortalecer a corrupção. As únicas coisas que atrapalham são o jovem Ministério Público e a Policia Federal moderna. Digam o que disserem, eles tem um ideal de Justiça, atrapalhando a relação entre o solo e o subsolo.

E o mais difícil vai começar agora: a chegada do Judiciário. Esta operação, como outras, vai começar a se desfazer, se esvaziar. Chegarão os advogados caros, as protelações, os recursos. E a máquina unida da lei e do crime voltará a funcionar em sincronia.

Proíbe-se para ganhar dinheiro com a liberação; e prende-se para cobrar por absolvições.

Gente... o que seria da corrupção sem a lei?

_________________
Arnaldo Jabour, Jornal da Globo - 13/04/07

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)