A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

23 de março de 2008

Eleitos chefiam Ministério Público em 19 Estados


Dos 26 procuradores-gerais de Justiça de todo o país, 19 foram eleitos pela classe. Os demais foram nomeados pelos governadores apesar de terem perdido a disputa interna.Em muitos dos casos em que o primeiro foi preterido, a indicação foi marcada pelo desconforto. Em geral, os membros do Ministério Público alegaram terem se sentido desprestigiados pela decisão do governador, que representaria uma falta de democracia na instituição.

Essa é a discussão que domina hoje o Ministério Público do Estado de São Paulo que, no dia 15, elegeu um representante para a instituição. Mas a palavra final é do governador José Serra (PSDB), que tem dito que poderá escolher qualquer um dos três melhores colocados.

O procurador eleito pela classe é Fernando Grella, que obteve 262 votos de vantagem. Em segundo ficou José Oswaldo Molineiro, que tem o apoio do atual procurador-geral, Rodrigo Pinho, e é considerado o candidato "mais apropriado" para o PSDB. Indicá-lo, porém, implicaria um desgaste político do governador junto à classe.

Os atuais procuradores-gerais de Amazonas, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Paraná, Pernambuco e Tocantins não foram os preferidos pela classe. Ficaram em segundo ou terceiro lugar.

Se há casos de revolta interna, também há outros em que o candidato alçado pelo governador, apesar de derrotado na eleição, foi reconduzido ao cargo com a maioria dos votos.

Foi o que ocorreu em Minas. Em 2005, o governador Aécio Neves (PSDB) indicou para o cargo de procurador-geral Jarbas Soares Júnior, em terceiro lugar na disputa. Em 2007, ele foi reconduzido pela maioria.

A expectativa em torno da nomeação e a pressão que os dois grupos paulistas têm feito para convencer José Serra a indicar os respectivos candidatos acirraram os ânimos dos procuradores e dos promotores.

O grupo alinhado a Grella diz que a indicação do segundo candidato será um desrespeito à maioria dos membros do Ministério Público, que quer mudanças na condução da instituição. Acarretará ainda um desgaste político para Serra e uma gestão difícil para Molineiro.

Esses apoiadores afirmam que as atuais circunstâncias são diferentes da vivida em 1996, quando o então governador Mario Covas (PSDB) indicou para o cargo o segundo colocado, Luiz Antonio Marrey, hoje secretário estadual de Justiça. Sustentam que o candidato preterido, o então procurador-geral José Emmanuel Burle Filho, já chefiara a instituição, o que nunca ocorreu com Grella.

O grupo ligado a Molineiro tem se apoiado na Constituição, que prevê a possibilidade de o governador escolher um dos três mais votados. Argumenta que a escolha por Grella reacenderia o poder do PMDB no Estado e representaria o retorno na instituição do grupo inimigo de Marrey, que ainda exerce forte influência dentro do Ministério Público e goza de prestígio junto ao governador.

Durante 12 anos, Marrey esteve à frente da instituição ou teve algum indicado dele no comando do Ministério Público. Serra, que retornou de uma viagem internacional na última quarta, tem até o dia 31 deste mês para anunciar o escolhido.

Por LILIAN CHRISTOFOLETTI - Folha de S. Paulo, 23/03/2008.
Observação: para maiores informações acerca da disputa eleitoral no MPSP, acesse: http://blogdopromotor.zip.net/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)