A vida só tem um sentido, e o único sentido que a vida tem é quando investimos nossa vida na vida dos outros, ou quando encarnamos a luta dos outros como se ela fosse nossa, a luta do coletivo. Esta é a lida do Promotor de Justiça: lutar pela construção contínua da cidadania e da justiça social. O compromisso primordial do Ministério Público é a transformação, com justiça, da realidade social.


Pesquisar Acervo do Blog

Seguir por E-mail

Seguidores

2 de outubro de 2007

Homens e idéias


Consta que Diógenes, com o sol mediterrâneo lambendo forte os mármores clássicos de Atenas, saía do tonel em que vivia e, de lanterna acesa, andava pelas ruas espantando a todos que o julgavam louco. Com tanto e tamanho sol, a luz de uma lanterna era, além de um pleonasmo, a prova de uma demência em progresso.

Perguntaram ao filósofo o que ele fazia com aquela lanterna cuja luz nem iluminar podia o que já estava suficientemente iluminado. Diógenes respondeu que estava procurando um homem. Consta também que era visto pedindo esmola às estátuas que ia encontrando pelo caminho, aquelas estátuas de olhos vazados, que nada enxergavam e nada escutavam, modelos de beleza e insensibilidade às súplicas humanas. Por essas e outras, além de demente foi considerado cínico.

Se vivesse no Brasil de hoje, não seria nem demente nem cínico, e talvez nem filósofo pudesse ser.

De suas manias antigas só manteria o domicílio dentro um tonel, sem pagar IPTU nem taxa de incêndio e condomínio. Não teria estátuas pelas ruas para pedir esmola. Com muita sorte, poderia habilitar-se a um dos programas do governo, ao Fome Zero, por exemplo, se é que ainda existe este programa inaugural do primeiro mandato do presidente Lula -a quem abracei cordialmente na ABL na semana passada.

Restaria a Diógenes andar de lanterna acesa pelos 8,5 milhões de quilômetros quadrados do território nacional, procurando aquilo que considerasse "um homem". Ele ignoraria aquela constatação atribuída a Oswaldo Aranha, segundo a qual o Brasil é um deserto de homens e de idéias.

Desanimado, acabaria comprando a próxima e suculenta edição da "Playboy" para ver a Mônica Veloso pelada. E compreenderia por que nos faltam homens e idéias.

Por Carlos Heitor Cony - Folha de S. Paulo, 02/11/07.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Atuação

Atuação

Contra a Corrupção

Dicionário

iDcionário Aulete

Cartilha do Jurado

Cartilha do Jurado
Clique na imagem. Depois de aberta, clique na parte inferior direita para folhear.

Você sabia?

Você sabia?

Paradigma

O Ministério Público que queremos e estamos edificando, pois, com férrea determinação e invulgar coragem, não é um Ministério Público acomodado à sombra das estruturas dominantes, acovardado, dócil e complacente com os poderosos, e intransigente e implacável somente com os fracos e débeis. Não é um Ministério Público burocrático, distante, insensível, fechado e recolhido em gabinetes refrigerados. Mas é um Ministério Público vibrante, desbravador, destemido, valente, valoroso, sensível aos movimentos, anseios e necessidades da nação brasileira. É um Ministério Público que caminha lado a lado com o cidadão pacato e honesto, misturando a nossa gente, auscultando os seus anseios, na busca incessante de Justiça Social. É um Ministério Público inflamado de uma ira santa, de uma rebeldia cívica, de uma cólera ética, contra todas as formas de opressão e de injustiça, contra a corrupção e a improbidade, contra os desmandos administrativos, contra a exclusão e a indigência. Um implacável protetor dos valores mais caros da sociedade brasileira. (GIACÓIA, Gilberto. Ministério Público Vocacionado. Revista Justitia, MPSP/APMP, n. 197, jul.-dez. 2007)